domingo, 13 de março de 2011

Rescaldo Manifestação GAR - Lisboa



Correu muito bem. Superámos os números de confirmados no Facebook em larga escala!


300 mil pessoas em Lisboa, 80 mil no Porto, 1000 em Ponta Delgada e tantos mais espalhados pelo país e pelo mundo fora!

Agora não podemos parar, temos de contar e lutar por um Portugal melhor, um Portugal digno, um Portugal nosso!

O movimento agora passa por aqui.

Eu orgulho-me de ter estado presente no dia 12 de Março de 2011. Eu faço parte do Movimento 12 de Março. E tu? Ficas a ver ou participas?

Passo II - Movimento 12 de Março
Dia 12 de Março ficará como a primeira pedra que lançámos para a construção do edifício-futuro. Pedra preciosa e simbólica. Na qual se suportarão os alicerces de algo maior.
Algo de novo, que una e não divida algo que nos coloque a nós, Portugueses, seres humanos, na rota de uma existência mais justa, solidária e feliz.
A pureza do que aqui temos não se pode perder, a força da vaga não pode esmorecer no areal, há que entrar terra adentro. E levar estas ideias através da distância.
Nós tudo podemos. Disse. Agora mais do que nunca Sei.
Dia 12 de Março mostrou-nos a capacidade de mobilização de um povo, o desejo inquestionável de trabalhar para o bem comum. Fomos, na rua, cúmplices sem temores de apresentarmos as nossas ideias, de as gritarmos a pleno coração no perfeito espaço incompleto da rua. Debatemos, discutimos e levantámos o punho em afirmação de um povo capaz.
Agora urge continuar.
Diversas vontades nos animam, diversas rumos intuimos. Urge não desmobilizar mas urge também não represar o pensamento e a acção que da rua irromperam.
Urge não restringir. Urge criar condições para que todos os afluentes daqui resultantes fluam livremente para o mar.
E é esse mar que vejo, agora, como o objectivo a alcançar. Até lá chegarmos há muito leito a percorrer, até lá chegarmos moldaremos a paisagem, mas será ali, nesse mar que desembocaremos todos.
Trata-se aqui de cartografarmos de novo um país, fisica e humanemente.
Trata-se aqui de convergência mas não homogeneização. Das nossas diferentes perspectivas, dos nossos diversos campos de intervenção, tijolo a tijolo construirmos um edifício sólido onde todos temos lugar, de que todos cuidaremos. A casa de um povo consciente de que é capaz de ser aquilo que quer e merece: Livre.
Assim sendo, após alguma reflexão, apresento um rascunho de futuros passos a dar, os quais deixo à consideração de todos aqueles que partilhem do espírito de aventura que anima todo e qualquer viajante. Porque é disso que aqui se trata, uma viagem rumo a um novo território, o do Bem.
Ponto #1 – recuperar o espírito da ágora, organização de tertúlias, encontros, debates, acções, nas, nossas vilas e cidades, criando condições para que organizações, associações e o cidadão comum partilhem experiências, ideias e soluções. Todas estas intervenções, associações e grupos resultantes encontrariam casa num movimento comum a todos, num movimento, sem líderes, que seria, fundamentalmente, um agregador de vontades e reivindicações.
Para este convergir sugiro que adoptemos o nome de Movimento 12 de Março.
Ponto #2 – Que destes encontros regionais se começasse a desenhar um manifestação das diversas correntes de pensamento, dos diferentes campos de intervenção, da economia à educação, da saúde à agricultura, da cultura à solidariedade. Uma manifestação para o próximo dia 25 de Abril, que se desejaria o mais representativa possível das diferenças que nos unem. Uma manifestação, um movimento, que transportasse em si um manual de propostas e reivindicações a apresentar à sociedade e instituições para que por estas seja discutido e encontre uma resposta concreta no prazo de uma semana até à celebração do feriado de 1 de Maio, onde seríamos novamente a rua, uma rua à escuta do retorno das nossas propostas.
Ponto #3 – Em paralelo dei já início à organização da iniciativa Caminhar Portugal, acerca da qual podem saber mais pormenores aqui: http://www.facebook.com/notes/artigo-21º/33-dias/168600879855470
Ponto #4 – Sugiro uma reunião geral, um grande fórum do Movimento 12 de Março, onde as portas se abrem a todos, onde todas as organizações e cidadãos interessados poderão contribuir para avaliarmos do percurso efectuado até lá e traçarmos um novo mapa para a mudança.
Sugiro que este fórum ocorra num espaço de tempo que permita que as acções anteriores possam dar fruto. Deixo uma data para o mesmo: o fim de semana de 10, 11 e 12 de Junho.
Caminhemos. Juntos.

sábado, 12 de março de 2011

Carta - 12 de Março de 2011


Exmo. Sr., Presidente da República;
Exmo. Sr., Presidente da Assembleia da República;
Exmo. Sr., Primeiro Ministro;
Exmos. Srs., Membros do Governo;
Exmos. Srs., Deputados da Assembleia da República;
Na qualidade de participante na manifestação de dia 12 de Março de 2011 e acima de tudo na qualidade de cidadão Português, protesto:
  • · Contra o abuso do uso dos contratos a prazo,
  • · Contra o fim dos falsos recibos verdes,
  • · Contra a falta de apoio ao empreendedorismo jovem,
  • · Contra o não aproveitamento da massa laboral mais qualificada de sempre do país.
Sugiro:
  • · Benefícios fiscais ás empresas que contratem trabalhadores sem termo, e penalizações ás que usam sem fundamento legal lógico, sendo necessário para isto, uma revisão do Código do Trabalho em vigor;
  • · Transformação de TODOS os recibos verdes em contratos de trabalho sem termo;
  • · Maior facilitismo e apoio de entidades públicas, no sentido de orientação de linhas de negócio para não ocorrer um estrangulamento em determinadas áreas, ao empreendedorismo jovem;
  • · Maior protecção aos trabalhadores/estudantes que por se encontrarem a contrato, não passam a efectivo por se encontrarem a estudar, quando estão a trabalhar na sua qualificação, beneficiando-se a si próprios, á entidade patronal e ao país.

sábado, 5 de março de 2011

Nós, os jovens.




Nós, jovens, somos o catalizador de Portugal.
Nós, jovens, somos a futura massa trabalhadora de Portugal.
Nós, jovens, somos os futuros Presidentes da República, Primeiros Ministros, Membros do Governo, Deputados da AR, Deputados do PE.
Nós, jovens, somos a geração, mais qualificada de sempre de Portugal.
Nós, jovens, devemos de recordar a todos, que o Poder efectivo do país, se encontra na mão do seu povo.
Nós, jovens, não concordamos com o que se passa actualmente no país.
Por isso, nós os jovens de Portugal, sairemos dia 12 de Março de 2011, para manifestarmos o nosso desagrado. Para nos fazermos ouvir.

Para mostrar, que o FUTURO de Portugal, está nas nossas mãos. E que nós estamos atentos.