sexta-feira, 19 de junho de 2009

Direitos LGBT


Agora, na conversa com um amigo meu, sobre a Marcha do Orgulho '09, ele perguntou-me se eu ia, porque ele e o namorado estão a pensar em vir a Lisboa para participar.
Nós já não falavamos á algum tempo, e após esta pergunta, perguntei-lhe se ja se tinha assumido, perante os pais... Ao que a resposta foi não!

A minha questão é: se não damos o primeiro passo, junto daqueles que amamos, juntos daqueles em quem confiamos, de que vale vir para a rua, hastear bandeiras e defender direitos?

Dar a cara na rua porque ninguém nos conhece?
Não, não concordo, talvez por ter assumido a minha sexualidade aos meus pais com apenas 17 anos, e a reacção deles até ter sido boa, e neste momento aceitarem bem o meu namorado e os meus amigos.

Acho que o essencial da luta pelos direitos da minoria a que pertenço começa em casa, com os pais, familia e amigos...

Hastear bandeiras em praça pública, sem assumir em praça "privada"?
I don't think that way...

4 comentários:

A... disse...

Cada um pensa como quer, mas concordo contigo. Não faz muito sentido pois o primeiro passo deveria de ser a aceitação no meio privado, neste caso no meio familiar.
Abraço

Mr. Placard disse...

As pessoas adoras ser etiquetadas.

Optimo para elas...

pedropina disse...

de facto concordo kdo dizes k é hipocrita nao o fazer 1º em casa e juntos dos mais proximos e ir gritar pra avenida!

Anónimo disse...

Eu concordo quando dizes que é uma hipocrisia vir hastear bandeiras para a rua sem fazer isso no seio privado.
No entanto, ao contrário do que se passou contigo, a maior parte dos pais, penso eu, pelo menos comigo foi assim, reagiu muitíssimo mal! E sou muito infeliz por causa disso. Se eu pudesse voltar atrás, jamais lhes teria revelado qual a minha orientação. Eles continuariam a pensar que eu sou hetero e não me f*diam a cabeça como fazem contantemente!
Por isso, penso que foi um castigo ter nascido gay. E como é óbvio eu apesar de me ter assumido, não meto os meus pés na marcha de orgulho GLBT. Primeiro porque não tenho orgulho nenhum em ser gay. Não é uma questão de orgulho, é de se ser quem é e de ser feliz assim, mas pronto, como aqui se fala de orgulho, o meu não é nenhum, porque não sou feliz sendo quem sou! E dps eu não concordo com essas marchas...
Concordo contigo, mas apenas no ponto que referes que de facto se o teu amigo não assumiu da parte de dentro, não faz sentido fazê-lo pra fora.